Mato Grosso do Sul deve chegar a 10 milhões de toneladas de soja na safra 2018/19

Foi aberto nesta segunda-feira (17) o plantio da soja em todo o Brasil durante cerimônia do Soja Brasil no município de Terenos, em Mato Grosso do Sul. Conforme projeção da Associação de Produtores de Soja de MS (Aprosoja-MS) o Estado deve alcançar produção de 10 milhões de toneladas do grão na safra 2018/19 com três milhões de hectares cultivados.

 

A área cultivada deve crescer 4% em relação à safra passada, enquanto que a produtividade deve alcançar média de 59 sacas por hectare. Na safra 2017/18 Mato Grosso do Sul produziu 9,6 milhões de toneladas de soja.

 

Saiba mais: Vazio sanitário da soja termina em MS e abre janela para plantio da safra

 

Os convidados palestrantes falaram de pautas importantes para o agronegócio atual, como a tabela do frete, o cenário político, a instabilidade do dólar, a guerra comercial entre China e EUA e as perspectivas para a safra atual.

 

A área cultivada deve crescer 4% em relação à safra passada, enquanto que a produtividade deve alcançar média de 59 sacas por hectare

 

Em 20 anos a produção estadual de soja cresceu 320%, resultado do trabalho do agricultor sul-mato-grossense e dos avanços das pesquisas.

 

A agricultura de Mato Grosso do Sul tem um ambiente favorável à produção de soja, que apresentará um aumento de área inferior a 5%, mas com uma capacidade de produção elevada, com expectativa de atingir, na temporada 2018/19, um patamar aproximado de 10 milhões de toneladas.

Matriz da Embrapa recebe prêmio de excelência em feira de genética

Pela segunda vez, uma matriz da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária  – Embrapa recebe o prêmio de excelência “Cláudio Sabino de Carvalho”, durante a ExpoGenética, realizada em Uberaba (MG) pela Associação Brasileira de Criadores de Zebu (ABCZ). Ideologia, nome dado ao animal, integra o rebanho Nelore PO (Puro de Origem) da Empresa e tem a genética no DNA. Ela é filha de Descoberta, vencedora em 2014, e neta materna de um provador do Instituto de Zootecnia (IZ). Nesta 7ª edição do prêmio, Ideologia concorreu com um rebanho apto de 4.202 animais.

 

O prêmio Cláudio Sabino tem como objetivo homenagear as matrizes com melhor histórico reprodutivo nos últimos anos. Entre os critérios para concorrer estão a idade entre 5 e 10 anos, ter pelo menos quatro crias, idade ao primeiro parte igual ou inferior a 36 meses, intervalo entre partos igual ou inferior a 390 dias e avaliação genética positiva. Ideologia apresentou 102,0 em índice de produtividade total. “Acima de 100 já é um alto índice de eficiencia reprodutiva e habilidade materna”, afirma Ismar Carneiro, gerente de provas zooténicas da ABCZ. Ele comenta que ao longo desses sete anos é perceptível a evolução da superioridade genética dos animais, que forma um banco de dados de Norte a Sul do País.

 

“O valor disso é mostrar que a Embrapa com seu rebanho de seleção Nelore PO desenvolveu um sistema que pode ser utilizado pelo criador. Não é a premiação da Ideologia em si, é uma pequena fotografia de um sistema simples, sem adoção de grandes tecnologias de melhoramento, que possibilita obter resultados promissores”, afirma o melhorista Luiz Otávio Campos da Silva. Além da mãe, três de suas cinco crias aguardam o certificado de superioridade genética do Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos (PMGZ-ABCZ), o que ratifica a  genética empregada e a metodologia adotada no plantel, na qual os touros são melhoradores e as fêmeas parem uma vez ao ano, “há três anos estabelecemos que não há chances para falhar”.

 

Na fazenda Modelo da Empresa, em Campo Grande (MS) onde a vaca é criada, o tratamento é 100% a pasto, com suplementação de sal mineral somente, como o restante das matrizes, sob os cuidados de quatro assistentes de campo e dois médicos-veterinários. O animal é funcional, em relação a carcaça, tamanho, pigmentação e aprumos e, de fato, os principais diferenciais são o intervalo entre partos menor que 12 meses, mantendo-se a cada estação de monta, e as progênies de qualidade. Ideologia, com registro genealógico BRGC1035, chegou à feira com sua quinta cria ao pé, na companhia de mais 11 vacas do rebanho aptas a concorrer,  fortalecendo o conceito de rebanho melhorado.

 

A Unidade atua em melhoramento genético animal desde 1977 e foi, ao lado da ABCZ, pioneira na criação e no lançamento de sumários de touros, em 84. Os primeiros projetos de pesquisa conduzidos foram nas linhas de cruzamentos entre raças e seleção. Com os anos, os estudos incorporaram o uso de DEPs (Diferença Esperada na Progênie), índices de seleção econômicos, metodologias genético-estatísticas para avaliação genética, genética molecular, genômica no processo de seleção e outras possibilidades em busca da produção de carne de qualidade.

 

Para esta edição da Expogenética, a comissão foi formada pelos técnicos de campo da Associação, Francisco Carlos Velasco, Célio Arantes Hain, João Eduardo Ferreira Assumpção.

 

Fonte: Embrapa Gado de Corte

Foto:Marcos Costa

Volume exportado de carne bovina in natura é recorde para agosto

A quantidade de carne bovina in natura comercializada no exterior apresentou recorde mensal no resultado de agosto, com 144,42 mil toneladas negociadas, aumento de 17,6%, e de 13,5% de crescimento em valor (US$ 590 milhões). A alta foi registrada apesar da queda do preço médio (- 3,5%) no período, conforme o Boletim da Balança Comercial do Agronegócio divulgado pela Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) nesta sexta-feira (14). Os principais destinos foram a China, com 33,3 mil toneladas (+23%), e Hong Kong, com 26,6 mil toneladas (+18%) da carne bovina in natura.

 

As exportações do agronegócio, entre janeiro e agosto, foram de US$ 68,52 bilhões (+4,7%). Essa elevação ocorreu em função, principalmente, do aumento do volume exportado, que subiu 3,8% no período analisado. As importações no setor apresentaram queda de 0,7% e totalizaram US$ 9,47 bilhões no período. Como resultado, o saldo da balança comercial do agronegócio nos primeiros oito meses do ano foi de US$ 59 bilhões.

 

O principal segmento exportador do agro continua sendo o complexo soja (grão, farelo e óleo).

 

As exportações desses produtos, que somaram US$ 25,79 bilhões entre janeiro e agosto de 2017, subiram para US$ 31,25 bilhões entre janeiro e agosto deste ano (+21,2%).

 

Recorde no ano

 

A soja em grão é o principal produto exportado nesse segmento, com vendas externas de US$ 25,72 bilhões (+20%). A quantidade exportada de soja em grão subiu de 56,9 milhões de toneladas, entre janeiro e agosto de 2017, para uma quantidade recorde, de 64,6 milhões de toneladas entre janeiro e agosto de 2018. Essa quantidade representa 54% das 119,3 milhões de toneladas colhidas na safra 2017/2018, de acordo com o último levantamento da Conab divulgado nesta semana.

 

As exportações de farelo foram de US$ 4,69 bilhões (+32%). O volume exportado foi recorde, com 11,8 milhões de toneladas. De acordo com o boletim, foram esmagados cerca de 15 milhões de toneladas de grão para exportar quase 12 milhões de toneladas de farelo.

 

Outro produto de destaque no período de janeiro a agosto deste ano foi a celulose, que bateu recorde de venda em valor (US$ 5,63 bilhões em alta de 37,9%) e quantidade (10,3 milhões de toneladas em alta de 9,9%).

 

Principal destino

 

As exportações de soja em grão para a China responderam por quase 30% do valor total exportado em produtos do agronegócio. Foram exportadas 50,9 milhões de toneladas de soja em grão para a China entre janeiro e agosto. Ou seja, a China sozinha adquiriu, nesses oito meses, 42,7% da safra de soja em grão brasileira 2017/2018, que foi de 119,3 milhões de toneladas. A China também adquiriu 41,7% da quantidade total exportada pelo Brasil de celulose e quase 20% da quantidade exportada de carne bovina in natura.

 

O secretário de Relações Internacionais do Agronegócio do Mapa, Odilson Ribeiro e Silva, observou o crescimento das exportações, além da China, para o Irã (+113,9%); Índia (+113,9%); Chile (+64,0%); e Tailândia (+25,3%), bem como queda nas vendas para os Estados Unidos e Países Baixos.

 

Confira o resumo da balança comercial do agronegócio

Confira o Agrostat – Sistema de Estatísticas de Comercio Exterior do Agronegócio Brasileiro

 

Fonte: MAPA

Vazio sanitário da soja termina em MS e abre janela para plantio da safra

Terminou no sábado (15), o período de vazio sanitário em Mato Grosso do Sul. Há 12 anos o prazo é cumprido pelos agricultores do Estado por medida de defesa sanitária e fiscalizado pela Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro).

 

Até o momento foram lavrados 35 autos de infração, sendo 20 por falta de cadastro e 15 por deixar de destruir plantas voluntárias de soja. As equipes fiscalizaram 931 mil hectares e 3.124 produtores rurais, mas os números devem aumentar nos próximos dias, visto que ainda há fiscais estaduais agropecuários em campo.

 

Todos os produtores que cultivam soja devem fazer o cadastro obrigatório até o dia 10 de janeiro de 2019, sendo que quem perder o prazo estará sujeito a multa de 100 Uferms. A Iagro orienta que cumprir o calendário do plantio reduz o uso de fungicidas e a resistência do fungo, por isso a janela de plantio da soja vai de 16 de setembro até 31 de dezembro de 2018.

 

Para sanar quaisquer dúvidas e prestar mais esclarecimentos a Iagro coloca à disposição do produtor o telefone: 0800 647 2788 (Foto: Aprosoja)

 

O período de plantio está previsto na Lei Estadual nº 5.025/2017 e quem descumprir com ele poderá receber multa de 200 Uferms e demais graduações previstas na legislação. Além disso, a mesma lei proíbe o cultivo de soja sobre soja, soja safrinha ou soja de segunda safra no Estado.

 

Para sanar quaisquer dúvidas e prestar mais esclarecimentos a Agência coloca à disposição do produtor o telefone: 0800 647 2788.

 

Plantio

 

Mato Grosso do Sul sedia nesta segunda-feira (17.9), a abertura oficial do Plantio de Soja da Safra 2018/2019, que faz parte do projeto Soja Brasil. A solenidade será realizada na Fazenda Jaraguá, município de Terenos, e contará com palestras em volta do tema “Cenário político e os grandes desafios da safra 2018/2019”.

 

A iniciativa é do Soja Brasil e encabeçada pela Associação do Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aprosoja/MS). No dia será divulgada a expectativa de área plantada e produção para a safra 2018/2019.

Piscicultor de Jaraguari, assistido pelo Senar, é o 1º a receber selo do SIM

Todo projeto bem estruturado tem futuro.  O do senhor Divino Furtado de Moraes então, nem se fala! Com três anos de Assistência Técnica e Gerencial do Senar/MS – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, o produtor de Jaraguari, município localizado a 50 km de Campo Grande, teve uma produção de 750 Pacus na última safra, e foi o primeiro a conseguir o Selo do SIM – Serviço de Inspeção Municipal, o que garante o comércio legal de sua produção.

 

 

Divino é assistido pela ATeG Piscicultura desde 2015, quando começou a ser acompanhado pelo técnico zootecnista do Senar/MS, Frederico Vasconcelos. “O produtor tinha apenas um tanque quando começamos a assistência. Agora com três, Divino é referência em empreendedorismo”.

 

O piscicultor começou sua capacitação através dos cursos de FPR – Formação Profissional Rural.  Além da produção, Divino também faz todo processo para comercialização. “Com tempo e conhecimento adquirido com o Senar/MS, passei a observar outros pontos e ver possibilidade de também armazenar os peixes dos fornecedores da região”, comenta o piscicultor que, a partir da visão mais profissionalizada, reconheceu a oportunidade no mercado com o Pacu.

 

“Por se tratar de um produto de origem animal, a carne de peixe necessita de inspeção para sua comercialização. A liberação do SIM faz com que produtores familiares se sintam estimulados a produzir, pois têm para quem vender. Hoje, o Divino já compra peixes de outros produtores atendidos pela ATeG, gerando renda e incentivando a produção entre seus parceiros”, comenta o supervisor do programa ATeG Piscicultura, Pedro Bigaton.

 

Agora, o piscicultor tem como objetivo, incentivado pelo Senar/MS, o selo de Serviço de Inspeção Estadual, para aumentar, assim, sua rede comercial.

 

Sobre o programa ATeG Piscicultura

 

A Assistência Técnica e Gerencial de Piscicultura atende 97 produtores em 8 municípios de Mato Grosso do Sul: Fátima do Sul, Laguna Carapã, Amambai, Dourados, Nioaque, Campo Grande, Jaraguari e Três Lagoas.  As principais espécies trabalhadas pelo programa são: Tilápia, Redondos e Pintados.

 

Encontro Técnico da Piscicultura

 

Para levar conhecimento e para apresentar casos de sucesso assim como do senhor Divino, o Senar/MS realiza, no dia 14 de setembro, o 2º Encontro Técnico da Piscicultura, em Três Lagoas.

 

Será um dia inteiro de palestras que abordarão tecnologias para atividade e o que é tendência na produção de peixe no Brasil.

 

A inscrição é gratuita. Basta clicar aqui e garantir o seu lugar.

Conheça a dinâmica de pastagens no Pantanal de MS; assista o vídeo

No campo experimental da Embrapa no Pantanal da Nhecolândia, em MS – conhecido como a fazenda Nhumirim – a chuva prolongada deste ano alterou as paisagens e pastagens. A dinâmica faz parte do processo de renovação do bioma, que acontece todos os anos por meio das secas e cheias.

 

A pesquisadora Sandra Santos fala sobre o tema neste vídeo, abordando a importância da diversidade de espécies para a pecuária:

 

 

Fonte: Embrapa Pantanal

Foto: Nicoli Dichoff

 

Abate de bovinos e de suínos cresce em relação a 2017, segundo o IBGE

O abate de bovinos e suínos cresceu no segundo trimestre deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. No segundo trimestre deste ano, foram abatidos 7,72 milhões de bois – alta de 4%. Já o número de porcos abatidos chegou a 10,82 milhões de animais – aumento de 1,9%.

 

Os dados são das Pesquisas Trimestrais da Pecuária, divulgadas hoje (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Outro indicador que teve alta no período foi a produção de ovos de galinha, que cresceu 6,6% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

 

O abate de frangos, no entanto, teve queda de 4% no mesmo período, resultado que pode ser explicado, segundo o IBGE, pela greve dos caminhoneiros, ocorrida em maio deste ano.

 

A aquisição de leite cru apresentou queda de 3,2% no período, enquanto a de couro manteve-se estável.

 

Primeiro trimestre

 

Na comparação com o primeiro trimestre deste ano, houve aumento apenas no abate de suínos (1%) e na produção de ovos de galinha (2%). Os demais indicadores tiveram queda: abate de bovinos (-0,2%), abate de frangos (-6,9%), aquisição de leite cru (-8,9%) e aquisição de couro (-4,1%).

 

Fonte: Agência Brasil

Terenos (MS) sedia a abertura nacional do Plantio de Soja da Safra 2018/2019

A Fazenda Jaraguá, no município de Terenos (MS), vai sediar na próxima segunda-feira (17/9) a Abertura Oficial do Plantio de Soja da Safra 2018/2019. A iniciativa faz parte do projeto Soja Brasil, que tem como tema central “Cenário Político e os grandes desafios da Safra 2018/2019” e contará com importantes nomes do agronegócio para debater assuntos relevantes para o bom andamento da safra.

Estarão presentes os presidentes da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), Bartolomeu Braz Pereira, da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado (Famasul), Maurício Saito, da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso do Sul (Aprosoja MS), Juliano Schmaedecke, da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputada federal Tereza Cristina, além de autoridades, pesquisadores, empresários e produtores de diversas regiões.

 

Como acontece todos os anos, o Projeto Soja Brasil fará a abertura simbólica da temporada 2018/2019 e trará uma análise sobre os desafios e as oportunidades da política agrícola, perspectivas em relação ao clima para esta safra e a importância do calendário da soja para garantir sanidade e boa produtividade.

 

Segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias de Óleo Vegetais (Abiove), o Brasil deve produzir nesta safra 118,8 milhões de toneladas do grão, superando os 118,7 milhões do ciclo anterior. O aumento da área plantada é estimado em 3,5%, segundo projeções do USDA. Tratando de Mato Grosso do Sul, a estimativa do Sistema de Informações Geográficas do Agronegócio (Siga MS), é de que a área destinada ao cultivo da oleaginosa, de 2,7 milhões de hectares, cresça aproximadamente 4%. Superando a produção de 9,590 milhões de toneladas, produzidas no ciclo anterior.

 

Programação

 

Quem abre os trabalhos neste dia, às 9h (Brasília) é a diretora do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), Adriana Brondani, com o painel técnico “O futuro da biotecnologia e a importância do glifosato para a agricultura brasileira”.

 

Na sequência, o especialista em Agronegócio da MB Associados, Alexandre Mendonça de Barros, assume o púlpito para falar sobre as “Perspectivas do mercado da soja, cenário político e macroeconômico”.

 

Após as duas palestras será aberto um debate mais amplo que contará, além do analista de mercado, com representante da Secretaria de Agricultura de Mato Grosso do Sul.

 

Fechada a rodada de debates, todas as autoridades presentes e os produtores irão a campo para enfim abrir oficialmente a safra de soja 2018/2019. Ponto alto do evento, os participantes poderão acompanhar as semeadeiras enfileiradas iniciando os trabalhos.

 

Fonte: Aprosoja

Conab fecha números e anuncia a segunda maior safra de grãos

A produção brasileira de grãos fecha o ciclo 2017/2018 com produção estimada em 228,3 milhões de toneladas. O número confirma a colheita como a segunda maior do país, atrás apenas da registrada na safra passada. A área manteve-se próxima à estabilidade, com ligeira alta de 1,4%, passando de 60,9 milhões de hectares para 61,7 milhões de hectares. Os dados estão no 12º levantamento da safra divulgado nesta terça-feira (11) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

 

A soja segue como importante destaque entre as culturas analisadas, apresentando crescimento de área e produtividade. O espaço destinado ao grão nas lavouras cresceu, sobretudo, em áreas destinadas anteriormente à produção de milho 1ª safra, devido a melhor rentabilidade proporcionada ao produtor. Além disso, as condições climáticas foram favoráveis à cultura, apesar de a estiagem ter atrasado o plantio. Com isso, a oleaginosa registrou produção recorde, chegando a uma colheita de 119,3 milhões de toneladas.

 

Com o mercado favorecendo ao produtor, o algodão é outro destaque positivo nesta safra. E com uma área plantada de 1,17 milhão de hectares, que representa crescimento de aproximadamente 25% e produtividade (algodão em caroço) de 4.267 quilos por hectare, o produto registra produção de 5 milhões de toneladas.

 

O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Wilson Araujo, disse durante o anúncio na Conab que “temos ambiente para produzir nesses níveis atuais e, daí para mais”.

 

O desempenho da safra atual só não foi melhor devido à produtividade que registrou queda em nível nacional de 5,2%, impulsionada, principalmente, pelo desempenho do milho segunda safra em quase todas as regiões brasileiras. Segundo análise da Conab, o atraso no plantio da soja fez com que os agricultores perdessem a janela ideal para plantar, o que gerou impacto direto na produtividade. Além disso, a área destinada ao grão também diminuiu, uma vez que as condições de mercado não estavam tão favoráveis como em outros anos.

 

Clique aqui para acessar o boletim.