Participação de equídeos na Expogrande depende de atestado negativo para mormo

 

A Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) está comunicando aos criadores de equídeos (equinos, muares e asisinos) que a participação dos animais na Expogrande e em qualquer evento nas dependências do Parque de Exposições Laucídio Coelho, dependerá da apresentação do atestado sanitário negativo de mormo.

 

O atestado é emitido pelo médico veterinário contratado pelo criador.

 

A exigência está amparada pela Portaria número 593 do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), de 30 de junho de 2023, que aprova as diretrizes gerais para a prevenção, controle e erradicação do mormo em todo o território nacional.

 

Sobre o mormo

Segundo a Iagro-MS (Agência de Sanidade Vegetal e Animal), o mormo é uma doença infectocontagiosa grave que acomete os equídeos (equinos, asininos e muares), mas que pode acometer outras espécies de maneira acidental, como o homem (zoonose), carnívoros e pequenos ruminantes.

 

A doença é causada pela bactéria Burkholderia mallei, que ocasiona alta taxa de mortalidade nos equídeos e, no homem é fatal. Os sinais clínicos mais frequentes são: febre, tosse e corrimento nasal. A doença pode se manifestar na forma aguda ou crônica, sendo que a forma crônica, geralmente, ocorre em equinos e a forma aguda em muares e asininos. Em equídeos os sinais são classificados em três categorias: nasal, pulmonar e cutânea.

 

A principal via de infecção é a digestiva, podendo ocorrer também pelas vias respiratórias, genital e cutânea. Animais infectados e portadores assintomáticos são importantes fontes de infecção.

 

A disseminação do agente no ambiente ocorre através da água, alimentos (forragens, melaço), fômites (bebedouros, cochos, equipamentos de montaria compartilhados). A mosca doméstica também pode contribuir para a disseminação da bactéria.

 

Acrissul

MS, BRASIL E MUNDO